Skip navigation

Category Archives: Arquitetura

Une femme.

Elle regarde : la plage, la mer.

Les vagues vont et viennent. L’une après l’autre

Elle ne bouge pas. Elle regarde

Garde .Vivante elle tiens son sourire

aux pas pressés des gens

A chaque marche, chaque vague

Chaque regard.

Sans horaire, sans retard

Lisa est la

tot ou tard…

Anúncios

Noticias vindas da Terra da Garoa, um amigo descreveu : o Minhocão é desesperadamente vazio, a repressão é grande e para as autoridades, o grafite virou um crime em lugares publicos sem autorização. Artistas estão assustados, mas não desmotivados. Produzem para particulares, exposições em galerias e outros. Sera que definitivamente o Minhocão foi criado para ser feio ?

Virando a pagina, o Museu abre o leque para outros ares, outros mundos.

France, Biarritz. Ponto de encontro de surfistas europeus, Plage de Cote des Basques.

A entrada se faz pelas 100 marches, os 100 degraus da escadaria que leva ao mar, contraste entre a beleza da natureza, as manhãs são reservadas aos passaros, ao vento fresco e a eterna beleza de ondas perfeitas de um mar aberto e esplendorosamente forte.

Os dias são finalizados pelo por do sol de um alaranjado sem nenhum pudor pela sua cor.

E a escadaria….nua, fria, concreta, polida. Nela, frequentam passantes apressados descem os degraus na euforia de chegar ao mar, ou sobem cansados e ofegantes.

Os verdadeiros habitantes dessa escadaria são os pequenos lagartos verdes que se escondem entre as plumas que florescem na temporada… Um banco aqui, outro ali, e ops, um grafite aqui , outro ali…

Entre a feiura do Minhocão e a beleza da Cote des Basques, o ponto em comum é a parede. E a parede é feita de concreto. O grafite, em suas mais variadas formas, tenta reavivar a beleza para os muros. Em qualquer muro. Permissão para troca de palavras em frase de Drummond, «  o mundo é grande e cabe no espaço de grafitar « .

Tem muita poluição, muito barulho, muita sujeira, sim. Tem muito transito, também!

De segunda a sexta, ele se transforma numa enorme serpente luminosa, como se esses 3km e pouco estivessem sempre iluminados para o natal…é o Minhocão que a maioria dos paulistanos vive no seu ir e vir diariamente de suas casas para o trabalho e vice-versa.

Felizmente, esse cenario se transforma noite adentro com o fechamento do elevado, e então os moradores do entorno, podem finalmente, digamos assim, dormir em paz.

Ocorre um fenomeno interessante: o Minhocão, aos domingos, vira palco dos

amantes dos esportes e da vida saudavel. E que, raramente, a propria Prefeitura Municipal de São Paulo organiza.

Corredores, ciclistas e outros tantos atletas de outras modalidades, tomam posse desse espaço livre e nas alturas para se exercitar tranquilamente, onde o ar, o silencio e a liberdade de estar, sem se preocupar com atropelamentos, realmente fazem a diferença.

E não existe diferença entre as pessoas, que na sua maioria, são educadas e de todas as classes, modalidades e idade.

Entre 8 e 9 da manhã, é habitual recebermos um « bom dia » do Dr. Drauzio Varella…ou mesmo ser acompanhado numa caminhada com a Sra. de 80 anos que faz seu exercicio matinal…

Turmas que treinam juntas, crianças aprendem a andar de bicicleta, senhores e senhoras fazem sua marcha, encontros para treinamento de tai-chi-chuan e tantas pessoas se deliciam do Minhocão aos domingos…

Falta o verde, é verdade, mas aqui anteriormente, ja expusemos nossa posição em relação a uma revitalização do Minhocão, para o bem-estar da população habitante desta região. O espaço existe, basta uma transformação inteligente para que todos sejam beneficiados. E então, esse bem-estar seria diario.